Livros > Resenhas

Um Casamento Feliz

Romance de Rafael Yglesias, “Um Casamento Feliz” é simplesmente belo e perturbador. A história nos conta sobre um casamento de 27 anos de Enrique e Margaret Sabas, ou mais precisamente, as primeiras semanas de seu namoro, seguido do início de seu casamento e as últimas semanas da vida de Margaret. Como o personagem principal de “Um casamento feliz” com tristeza admite, seu romance tende a ser autobiográfico. Enrique, assim como Yglesias, é um escritor, cujo futuro parecia uma realidade, abandonou a escola aos dezesseis anos, após a publicação do seu primeiro romance. Através de um amigo aspirante a escritor, ele conhece bem, os olhos azuis de Margaret Cohen (esposa de Yglesias também se chamava Margaret), uma mulher alegre jovem com vagas ambições artísticas, com quem Enrique cai abruptamente apaixonado.

Narrado de uma forma alternada, o livro traça as fases iniciais do romance entre Enrique Sabas e Margaret Cohen e os estágios finais de seu câncer terminal metastático. Margaret é quatro anos mais velha que Enrique. Quando ela foi diagnosticada pela primeira vez, ele tentou encorajá-la, muito embora ele tenha se assustado. Um soco de realidade que o fez avaliar sua vida em comum com a esposa.

Yglesias revela-se nesse romance um escritor excelente e corajoso. Atado com todas as suas recordações íntimas de momentos de crises e alegria dos anos de seu relacionamento, os gráficos do romance o fluxo e refluxo de casamento, iluminam os mistérios e magia do amor conjugal. Suas descrições e suas descaradas inseguranças sobre sua masculinidade, neurótico sobre o que e como se vestir, oferece uma cartilha útil na perspectiva masculina sobre o ato de se apaixonar. Yglesias é impiedoso em seu relato com Enrique, ou seja, com ele mesmo.

Quando Enrique tinha se juntado às fileiras dos romancistas sérios seduzidos por Hollywood. Enrique mostra sua covardia, ao invés de confessar a sua esposa que ele queria sair do casamento, logo após o nascimento do seu primeiro filho, ele sugere aconselhamento matrimonial, na esperança de que dali facilitaria o caminho do divórcio.

Mas, Yglesias é inteligente o bastante para compreender que Enrique repreende a si mesmo por seu mau comportamento, e o leitor provavelmente vai absolvê-lo. O livro começa com a nostalgia do amor entre Enrique e Margaret um começo difícil, mas que aos poucos vai se revelando uma paixão irresistível. Podemos sentir a alegria desse início. Mas os capítulos estão ao mesmo tempo interligados com um impiedoso e incisivo relato de morte de Margaret de câncer na bexiga.

Após três cirurgias extremamente difíceis, e meia dúzia de pequenas cirurgias, duas remissões, e rodadas intermináveis de quimioterapia, a doença dominou Margaret, tornando-a fraca, careca e sem o sistema digestivo funcionando. Mas todo esse sentimento desesperado tem um tempo de duração acentuado seguindo o ritual que a doença impõe. Olhando para trás através do olhar derrotado da fadiga, parecia inevitável, agora que ela iria acabar assim, estava morrendo polegada por polegada, este momento terminal quando a esperança representa apenas um sorriso de um esqueleto.

No entanto, longe, de combater a doença em hospitais e seguir até o último momento do combate a esta doença. Margaret desiste de tudo e se permite ir para casa para morrer, e sua morte consome uma grande parte da narrativa. Não há nada remotamente feliz nos últimos dias e horas na vida de Margaret, ainda que parte do livro constitua uma exibição admirável de devoção de amor e mea culpa - pelas traições - de Enrique durante os anos em que ficaram juntos.

Esse livro nos mostra através de um detalhamento minucioso um olhar amoroso e profundo onde Enrique não se furtou em olhar sua mulher não apenas como esposa que foi, mas, como escritor. E o resultado é um retrato fascinante de que apesar de todas as suas imperfeições o amor ainda consegue feitos literários maravilhosos.

No momento em que o coração de Enrique aquece em ver a vida de sua mulher se esvaindo, seu amor por ela aumenta concomitantemente a perda que já se aproxima. Olhando de uma forma talvez de um ângulo oposto, podemos dizer que o paciente de câncer terminal tem a parte relativamente mais fácil nessa história toda. Tudo que sobra ao paciente é morrer. Quanto ao cônjuge a parte definitiva, a perda, e a ausência permanente. Mas não definiria isso como uma conclusão, mas apenas um tópico para o leitor refletir.

O progresso de sua doença através do olhar de sua própria fadiga, não é narcisista. “Um casamento feliz” foi escrito para invocar a presença de Margaret, para buscar uma imortalidade para ela, e para compartilhá-lo com ela. Yglesias dedica o romance simplesmente "para ela." Não para causar frissons, mas simplesmente uma homenagem.

“Um casamento feliz” é ao mesmo tempo intimista e expansivo, uma novela que se alterna entre as desventuras românticas de as primeiras semanas de namoro e os meses finais da vida de Margaret e como ela diz adeus à sua família, amigos e filhos – e a Enrique. Abrangendo 30 anos, esta história dolorosamente honesta é sobre o que significa para duas pessoas para passar uma vida inteira juntos - e que faz um casamento feliz.

Nem sentimental, nem cínico, e escrito com uma intensa devoção e suspense emocional, "Um casamento feliz" revela uma parceria que traz maturidade e um grande prazer para a vida entre duas pessoas. Elegíaco, e incrivelmente vívido, um casamento feliz vai quebrar o coração de cada leitor e talvez infundir em alguns casamentos um pouco mais de amor. Um grande livro. É ler e se emocionar sem lágrimas, cada emoção neste romance equivale a uma reflexão sobre nós mesmos.


Data: 08 agosto 2016 (Atualizado: 08 de agosto de 2016) | Tags: Romance


< Leila Diniz Pais e filhos >
Um Casamento Feliz
autor: Rafael Yglesias
editora: Record

compartilhe

     

você também pode gostar

Resenhas

Nós

Vídeos

O Sonho do Celta

Podcast

Arroz de Palma